segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

«When a tree falls in the city»

THE TREE falling in a forest with no one to hear may or may not make a sound. But the tree that falls in the city has a big impact. It happened in last week’s blizzard: one of the twin trunks of our big old mulberry tree toppled over into our neighbors’ backyard, its 50 feet of soaring height suddenly transformed into 50 feet of problematic length.

Whether it is standing or, eerily, lying across someone else’s backyard, a city tree is a more social organism than a forest tree. It may grow on one piece of property, but it has relationships and it crosses boundaries. It hangs over other people’s yards. It does favors and creates nuisances. It can give rise to disputes and feuds but it can also foster diplomacy and compromise.

For us, the mulberry was a beautiful old shade tree; it gave definition and shape to a yard that was otherwise bald when we bought the house. It also gave us privacy, its leafy branches screening our view of the brick four-story apartment building just beyond our back fence. To the residents of that building, the tree was an annoyance, dropping pulpy mulberries onto their narrow back patio. (I imagined those apartment-dwellers applauding behind their frosty windows when the tree fell down.)

To our next-door neighbors the mulberry was a neutral presence, but now, lying across their yard with its massive tangled crown only inches from their kitchen door, it was harder to ignore. Not all of the tree’s neighbors and stakeholders are human. To squirrels, it has been a very successful gym and pick-up spot, and it’s a rowdy pub for robins and cedar waxwings who spend July getting snockered on fermented mulberries.

Loved or hated or simply tolerated, a city tree matters. It’s part of an ecosystem, often part of the history of a house and a family. I know my trees, in a way that I might not if I lived in the country and owned scads of them. Besides the mulberry, we have a linden, which I planted for the scent of the flowers and because it reminds me of my father, who spent his early childhood in Berlin.

Our other backyard trees aren’t in our yard at all — they belong to the neighbors, and hang their heads over our fence like shaggy, friendly ponies. If they could talk, they’d gossip. The apple trees on one side of us were planted by that house’s previous owner, who loved rare old fruit-tree cultivars and also planted the Porter apple tree in our front yard for the family named Porter who lived here before us. On the other side, our neighbors have put in crabapples (one, planted in their old yard to mark the birth of a daughter, was carefully dug up and transplanted when they moved here) and a delicate, deep bronze Japanese maple, which our mulberry narrowly missed hitting on its way down.

So whose problem is it, this no-longer-charming mulberry tree sprawled massively across our neighbors’ garden? Before we go there, let me just throw in another, not so idyllic, memory of different neighbors in a different neighborhood. Somehow we got into a dispute with them — one of those inexplicable, touchy disagreements about who had the right to do what on the boundary between our properties. It got angry and unpleasant, and what we learned was that being right wasn’t worth it.

Our reaction to last week’s fallen mulberry was to get on the phone and call a tree company to talk about removal. Meanwhile our neighbor, who is much more handy, was thinking he might just cut the tree up himself. On both sides of the (smashed) fence, we were seeing the fallen tree as something to pitch in on, rather than argue about. Both families were asking, “What can we do to help solve this problem?’’

Living in the city, we are all abutters. Our trees and our lives hang over the fences, shading, shadowing, dropping welcome and unwelcome fruit. We’ll fix the fence and cut up the mulberry for firewood (thank you, neighbors). And when the time comes we will plant another tree, one that doesn’t have berries (you’re welcome, apartment dwellers; sorry, cedar waxwings).

in IHT, 22-23 de Janeiro de 2011

Foto: Restos de "Bela Sombra" que caiu na Rua do Limoeiro em 1964. Imagem de Armando Seródio, Arquivo Fotográfico Municipal.

sábado, 29 de janeiro de 2011

CCDR preocupada com logradouros de Lisboa

«A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) de Lisboa e Vale do Tejo considera que a proposta de Plano Director Municipal da capital não assegura na totalidade os objectivos de salvaguarda dos logradouros e sugere que a autarquia clarifique algumas situações.

A CCDR aponta sobretudo as excepções previstas na proposta de Plano Director Municipal (PDM), que permitem a "ocupação significativa" dos logradouros, considerando que, em certa medida, "contradizem os princípios de salvaguarda das áreas permeáveis" e "interferem com a concretização da Estrutura Ecológica Municipal".

O parecer final da comissão de acompanhamento da revisão do PDM de Lisboa, da qual fazem parte mais de 30 entidades, entre elas a CCDR, foi elaborado na semana passada. O parecer foi globalmente favorável, condicionado a um conjunto de correcções e rectificações, tendo a comissão de acompanhamento recomendado à câmara que realize "reuniões de concertação com as entidades que formularam objecções".

Uma dessas entidades foi a CCDR, que alertou para o facto de a proposta de PDM permitir "novas intervenções" ao nível dos logradouros, sublinhando que não é evidente "se se encontram ou não permitidas novas construções, ampliação das existentes ou novas impermeabilizações". "Considera-se ser de dissuadir qualquer aumento de impermeabilização dos logradouros, em particular quando coincidente com a área identificada na planta da Estrutura Ecológica Municipal, devendo a regulamentação ser clara quanto a estes aspectos e não ficar-se por uma mera menção à sua salvaguarda", refere o parecer. Chama-se ainda a atenção para a necessidade de garantir a salvaguarda dos logradouros "nos espaços consolidados e a consolidar", realçando que "a respectiva regulamentação nada refere quanto à sua salvaguarda e requalificação".

Outra das matérias destacadas pela CCDR é o Regulamento Geral do Ruído, dizendo-se que o PDM deverá contemplar "disposições relativas a condicionamentos à construção de edifícios habitacionais e de alguns equipamentos em zonas de conflito".» In Público, 29/1/2011

Foto: logradouro do Palacete Ribeiro da Cunha, ameaçado com construção nova.

As Figueiras do Jardim no Inverno

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

«The End of Nature» por Slavoj Zizek

If science cannot control nature, maybe we should focus on changing how we live in it.

The big ecological disasters of 2010 fit into the ancient cosmological model, in which the universe is made up of four basic elements: AIR, volcanic ash clouds from Iceland immobilizing airline traffic over Europe; EARTH, mudslides and earthquakes in China; FIRE, rendering Moscow almost unlivable; WATER, the tsunami in Indonesia, floods displacing millions in Pakistan.

Such recourse to traditional wisdom offers no true insight into the mysteries of our wild Mother Nature’s whims, however. It’s a consolation device, really, allowing us to avoid the question we all want to ask: Will more events of such magnitude turn up on nature’s agenda for 2011?

In our disenchanted, post-religious, ultra-technological era, catastrophes can no longer be rendered meaningful as part of a natural cycle or as an expression of divine wrath. Ecological catastrophes — which we can view continually and close-up, thanks to our 24/7 plugged-in world — become the meaningless intrusions of a blind, destructive rage. It’s as if we are witnessing the end of nature.

Today we look to scientific experts to know all. But they do not, and therein lies the problem. Science has transformed itself into specialized knowledge, offering an inconsistent array of conflicting explanations called “expert opinions.” But if we blame the scientific-technological civilization for many of our difficulties, we cannot do without that same science to fix the damage — only scientists, after all, can “see” the ozone hole. Or, as a line from Wagner’s “Parsifal” puts it, “The wound can only be healed by the spear that made it.” There is no way back to pre-scientific holistic wisdom, to the world of Earth, Wind, Air and Fire.

While science can help us, it can’t do the whole job. Instead of looking to science to stop our world from ending, we need to look at ourselves and learn to imagine and create a new world. At least for those of us in the West, it’s difficult to accept being passive observers who must sit and watch as our fates are revealed.

Enter the perverse pleasure of premature martyrdom: “We offended Mother Nature, so we are getting what we deserve!” It’s deceptively reassuring to be ready to assume guilt for the threats to our environment. If we are guilty, then it all depends on us; we can save ourselves simply by changing our lives. We frantically and obsessively recycle old paper, buy organic food — whatever, just so we can be sure we are doing something, making our contribution.

But like the anthropomorphic universe, magically designed for man’s comfort, the so-called balance of nature, which humankind brutally destroys with its hubris, is a myth. Catastrophes are part of natural history. The fact that ash from a modest volcanic outburst in Iceland grounded most of the planes in Europe is a much-needed reminder of how we, humans, with our tremendous power over nature, are nothing but one of the living species on Earth, depending on the delicate balance of its elements.

So what might the future hold? One thing is clear: We should accustom ourselves to a much more nomadic way of life. Gradual or sudden change in our environment, about which science can do little more than offer a warning, may force unheard-of social and cultural transformations. Suppose a new volcanic eruption makes a place uninhabitable: Where will the inhabitants find a home? In the past, large population movements were spontaneous processes, full of suffering and loss of civilizations. Today, when weapons of mass destruction are available not only to states but even to local groups, humanity simply can’t afford a spontaneous population exchange.

What this means is that new forms of global cooperation, which do not depend on the market or on diplomatic negotiations, must be invented. Is this an impossible dream?

The impossible and the possible are simultaneously bursting into excess. In the realms of personal freedom and scientific technology, the impossible is more and more possible. We can entertain the prospect of enhancing our physical and psychic abilities; of manipulating our biological traits via interventions into the genome; of achieving the tech-gnostic dream of immortality by encoding our distinguishing traits and feeding the composite of our identities into a computer program.

When it comes to socioeconomic relations, however, we perceive our era as one of maturity, and thus acceptance. With the collapse of Communism, we abandoned the old millenarian utopian dreams and accepted the constraints of reality — that is, capitalist socioeconomic reality — with all its impossibilities. We cannot engage in large collective acts, which necessarily end in totalitarian terror. We cannot cling to the old welfare state, which makes us noncompetitive and leads to economic crisis. We cannot isolate ourselves from the global market.

For us, it’s easier to imagine the end of the world than serious social change. Witness the numerous blockbusters about global catastrophe and the conspicuous absence of films about alternate societies.

Maybe it’s time to reverse our concept of what is possible and what isn’t; maybe we should accept the impossibility of omnipotent immortality and consider the possibility of radical social change. If nature is no longer a stable order on which we can rely, then our society should also change if we want to survive in a nature that is no longer the good caring mother, but a pale and indifferent one.
Publicado na IHT Magazine, 2 Dezembro 2010

Foto: Casa das Histórias, Cascais

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

AVISO: Bilheteira do Jardim Botânico

Estimado(a)s amigo(a)s associado(a)s,

Desde o início do ano que a bilheteira do Jardim passou a ter funcionários de uma empresa de segurança, em vez dos habituais funcionários do Jardim.

Alerta-se para a necessidade de serem portadores do cartão da LAJB com a quota atualizada, aquando da vossa visita ao Jardim.

Sem mais, enviamos os nossos cumprimentos, agradecimentos e saudações botânicas, e subscrevemo-nos com elevada estima e consideração,

A DIRECÇÃO da LAJB

Foto: Quercus libani na Classe

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Construções cobrem 60 por cento do solo de Lisboa

«Estradas, edifícios e parques de estacionamento cobrem com betão e pedras 60 por cento do solo de Lisboa, ou seja, 105 metros quadrados por habitante, revela um estudo da Agência Europeia do Ambiente (EEA, sigla em inglês) sobre impermeabilização de 38 capitais europeias.

As cidades com menor percentagem de solo impermeabilizado são Estocolmo, Berna e Oslo, com pouco mais de 20 por cento. No extremo oposto encontram-se Bucareste, Tirana e Varsóvia. As capitais da Roménia, da Albânia e da Polónia são aliás as únicas com maior percentagem de solo impermeabilizado do que Lisboa, que surge nesta lista feita a partir de dados de satélite (relativos a 2006). O que faz da capital portuguesa a quarta mais impermeabilizada na Europa.

No rácio de cobertura do solo por habitante, as capitais mais impermeabilizadas são Nicósia (Chipre), Luxemburgo e Vaduz (Liechtenstein).

Os dados revelados anteontem pela EEA não surpreendem Eugénio Sequeira, especialista em solos e presidente da assembleia geral da Liga para a Protecção da Natureza. "Na década de 1990 a 2000, a área impermeabilizada no país aumentou 50 por cento", com as cidades a crescerem "nos sítios com melhores solos". No caso de Lisboa, os barros vermelhos.

"Infelizmente, tivemos duas leis - a Reserva Agrícola Nacional e a Reserva Ecológica Nacional - que deveriam salvaguardar os melhores solos e que não são cumpridas", frisa Eugénio Sequeira, salientando que a impermeabilização é um processo irreversível.

Também a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza sustenta que, nas últimas décadas, solos muito produtivos têm sido ocupados, "sistematicamente desafectados da Reserva Agrícola Nacional". Segundo esta organização, existem casos "de ocupação recente de zonas de risco de cheia que deveriam estar classificadas como Reserva Ecológica Nacional".

A associação salienta que este pode ser um momento importante para "inverter" a tendência, uma vez que "muitos planos directores municipais estão em revisão, se equaciona uma futura Lei dos Solos e já está aprovada uma estratégia de adaptação às alterações climáticas".»

In Público

Foto: Lodão em logradouro da Rua Barata Salgueiro, ameaçado por projecto de demolição seguido de construção nova com ocupação integral do logradouro.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Agência Europeia de Ambiente: Lisboa entre as piores capitais europeias a cuidar do solo

Um relatório da Agência Europeia de Ambiente mostra que a capital portuguesa tem dos solos mais impermeáveis das capitais europeias. Pior do que Lisboa só mesmo as antigas capitais satélites do regime soviético: Bucareste, Tirana e Varsóvia.

Em comparação, Londres (Reino Unido) tem uma área impermeabilizada de 42,5 por cento e Estocolmo (Suécia), a capital melhor colocada no ranking, de 22,90 por cento.

No relatório, a Agência Europeia do Ambiente recorda que o solo é um dos recursos mais importantes do planeta, porque nos proporciona não só serviços fundamentais, como a produção de comida ou o armazenamento de água subterrânea, mas também protecção contra cheias e regulação microclimática, entre outros. in TSF

Esta notícia, mais uma vez, põe a nú a grave situação de Lisboa em matéria de política de solos. E é por a LAJB ter plena consciência deste facto que se tem batido sempre pela defesa dos solos permeáveis que ainda sobrevivem em Lisboa. Daí o não aceitarmos a iniciativa da CML, por via da actual proposta do Plano de Pormenor para o Parque Mayer, de construir mais de 22 mil m2 de novas construções que irão impermeabilizar cerca de 50% da área do plano - se excluirmos a área permeável do Jardim Botânico. A continuar assim, Lisboa será no futuro próximo a capital que mais despreza solos permeáveis.

Foto: logradouro na Rua das Portas de Santo Antão

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

As Árvores e os Livros: José Gomes Ferreira

Nesta árvore
onde até os pássaros se enforcam nos ninhos
há muito que mora uma ninfa
uma ninfa de carne incerta
fugida da borrasca
dos caminhos.

Bato-lhe de manso na casca...

Sou eu, ninfa. Abre! Estamos os dois sózinhos
nesta rua deserta.

Sai cá para fora
e beija-me na boca.

Prova-me que a vida é louca.

José Gomes Ferreira


Foto: Lodão na Avenida António Augusto de Aguiar

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Curso: «Objectos em Silêncio» 2011

Em Portugal, e mesmo lá fora, são escassas as oportunidades de formação em cultura material da ciência e da técnica. O Museu das Comunicações (Fundação Portuguesa das Comunicações) e o Museu de Ciência da Universidade de Lisboa estabeleceram uma parceria para fornecer quatro mini-cursos de uma semana sobre este tema (dois em Lisboa, um no Porto e um em Portimão) ao longo de 2011. O primeiro mini-curso é já na última semana de Janeiro, em Lisboa. As inscrições são gratuitas mas limitadas. Este programa «Objectos em Silêncio» é em parte subsidiado pelo Programa PROMUSEUS (Ministério da Cultura) e conta com o apoio do Museu dos Transportes e Comunicações (Porto) e do Museu de Portimão.

Para mais informações: info@fpc.pt

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

«Jardim Botânico deve ir a plenário»

Petição entregue na Assembleia da República

A Plataforma em Defesa do Jardim Botânico entregou ontem na Assembleia da República uma petição com mais de quatro mil assinaturas com vista a pedir a revisão do Plano de Pormenor do Parque Mayer. E alertou para os malefícios das construções previstas.

"Há-de haver bom senso e acima de tudo o que interessa aqui é preservar o Jardim Botânico, se possível alargá-lo e não permitir de maneira nenhuma atentados ao jardim", afirmou ao JN Paulo Ferrero, do movimento Cidadania LX, uma das dez associações que lançaram a petição em Novembro.

Com mais de 4170 assinaturas, o texto foi entregue ao presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, que, segundo Paulo Ferrero, "estava dentro do problema, estava bem informado e mostrou-se interessado".

Os signatários defendem que proposta de Plano de Pormenor do Parque Mayer deve ser revista tendo em conta aspectos e elementos que "devem ser melhorados, aprofundados e rectificados". Em causa estão as construções previstas em volta do recinto do Parque Mayer, como, por exemplo nos logradouros da rua do Salitre, da Rua da Alegria ou do Príncipe Real.

"É importante que não haja esventramento desses logradouros pelo menos com a imensidão que está anunciada com quatro caves de estacionamento que põem em perigo as raízes das árvores do Jardim Botânico", alerta Paulo Ferrero.

"É preciso diminuir ainda mais o índice de construção", prosseguiu, referindo que "mesmo que seja de dois andares e tenha uma cobertura vegetal de relva não é muito apropriado para ali".
O representante do Movimento Fórum Cidadania LX manifestou ainda receios com a intenção de se construir um edifício de quatro andares no cruzamento da rua do Salitre com a Rua Castilho. "É uma falta de senso completa", considerou, antes de tecer críticas a um outro projecto que prevê "uma estufa dissonante com o jardim".

Na sua óptica, a Universidade de Lisboa, responsável pela gestão do Jardim Botânico, "é um bocado culpada porque lava as mãos, diz que não tem dinheiro e qualquer coisa que apareça é bem-vinda".

Paulo Ferrero lamentou ainda o estado actual do Jardim Botânico. "Neste momento tem apenas um jardineiro", criticou, defendendo que um espaço com aquelas características devia, e merecia, ser acompanhado por mais profissionais.

O representante do movimento de cidadãos alertou ainda o facto de "não haver dinheiro para pagar a água" nem "um folheto promocional do Jardim Botânico". E concluiu que "há um misto de falta de dinheiro e de desinteresse das instituições".

Na Assembleia da República, a petição segue agora para a Comissão de Educação - uma vez que o Jardim Botânico é da gestão da Universidade de Lisboa. Depois de nomeado um deputado redactor, dar-se-á início a um processo de audição a todas as partes envolvidas. Posteriormente será feito um relatório e, só mais tarde, deverá ser discutida em plenário.
in Jornal de Notícias 2011-01-12

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Petição em Defesa do Jardim Botânico entregue ao Presidente da Assembleia da República

A Plataforma em Defesa do Jardim Botânico informa que a "Petição em defesa da Missão do Jardim Botânico e da sua sustentabilidade ambiental, social e económica a longo prazo. Revisão imediata do Plano de Pormenor do Parque Mayer, Jardim Botânico, Edifícios da Politécnica e Zona Envolvente" foi entregue presencialmente a Sua Excelência o Presidente da Assembleia da República, hoje, pelas 11h. Na audiência com o Dr. Jaime Gama, que durou cerca de 1 hora, estiveram presentes representantes do GECoRPA, QUERCUS, Liga dos Amigos do Jardim Botânico, Associação Lisboa Verde, Grupo dos Amigos da Tapada das Necessidades, Cidadãos pelo Capitólio e Fórum Cidadania LX.

A PLATAFORMA EM DEFESA DO JARDIM BOTÂNICO DE LISBOA

Associação Árvores de Portugal, APAP - Associação Portuguesa dos Arquitectos Paisagistas, Associação Lisboa Verde, Cidadãos pelo Capitólio, Fórum Cidadania Lx, GECoRPA - Grémio das Empresas de Conservação e Restauro do Património Arquitectónico, Grupo dos Amigos da Tapada das Necessidades, Liga dos Amigos do Jardim Botânico, OPRURB-Ofícios do Património e da Reabilitação Urbana, Quercus-Núcleo de Lisboa, Liga para a Protecção da Natureza

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Entrega da Petição em Defesa do Jardim Botânico na Assembleia da República

Atingidas as necessárias 4.000 assinaturas, a Plataforma em Defesa do Jardim Botânico informa que a "Petição em defesa da Missão do Jardim Botânico e da sua sustentabilidade ambiental, social e económica a longo prazo. Revisão imediata do Plano de Pormenor do Parque Mayer, Jardim Botânico, Edifícios da Politécnica e Zona Envolvente" (http://www.gopetition.com/petition/39771.html) será entregue presencialmente a Sua Excelência o Presidente da Assembleia da República, amanhã, dia 11 de Janeiro de 2011.

No acto da entrega estarão presentes representantes da Liga dos Amigos do Jardim Botânico, Associação Portuguesa dos Arquitectos Paisagistas, Quercus, Liga para a Protecção da Natureza, Fórum Cidadania Lx e Associação Lisboa Verde.

A PLATAFORMA EM DEFESA DO JARDIM BOTÂNICO DE LISBOA

Associação Árvores de Portugal, APAP - Associação Portuguesa dos Arquitectos Paisagistas, Associação Lisboa Verde, Cidadãos pelo Capitólio, Fórum Cidadania Lx, GECoRPA - Grémio das Empresas de Conservação e Restauro do Património Arquitectónico, Grupo dos Amigos da Tapada das Necessidades, Liga dos Amigos do Jardim Botânico, OPRURB-Ofícios do Património e da Reabilitação Urbana, Quercus-Núcleo de Lisboa, Liga para a Protecção da Natureza

Foto: Cedrus libani

domingo, 9 de janeiro de 2011

ICOM: Conselho dos museus teme pelo património "de inestimável valor" dos hospitais

«A proposta do ICOM é a da criação de um pólo museológico na colina de Santana depois da desactivação dos hospitais
A comissão portuguesa do ICOM (Conselho Internacional de Museus) tem vindo a acompanhar "com crescente preocupação" as notícias sobre os planos para a desactivação dos Hospitais Civis de Lisboa e teme pelo futuro deste "património de inestimável valor nacional e internacional", declarou ontem a direcção nacional da organização.

Avançar no processo de extinção dos hospitais da colina de Santana (São José, Santa Marta, Santo António dos Capuchos e ainda o Hospital Psiquiátrico Miguel Bombarda, este já encerrado) sem ter em conta o património a eles ligado constituiria "um intolerável acto lesivo da nossa memória colectiva", diz o ICOM Portugal, em comunicado.

O processo de desactivação dos hospitais - que foram já vendidos à Estamo, entidade pública encarregada da venda do património do Estado - "levanta muitas dúvidas que carecem de resposta por parte do Ministério da Saúde, como absolutamente se impõe em vivência democrática", prossegue o documento. Até agora o Ministério da Saúde não esclareceu o que tenciona fazer com o património dos hospitais, parte do qual está classificado.

Por isso, o ICOM apela à tomada de medidas que considera de "carácter imperioso e urgente". A primeira é a reabertura do público da Enfermaria-Museu do Hospital Miguel Bombarda, edifício classificado que funcionou durante muitas décadas como enfermaria para doentes vindos da penitenciária e onde está exposta parte da colecção de arte feita pelos doentes, do arquivo fotográfico e de material hospitalar.

Mas, apesar de este ser o caso mais premente, as preocupações do ICOM são mais latas e abrangem o conjunto dos hospitais da colina de Santana, para os quais propõe a "criação de unidades museológicas respeitando os respectivos "espíritos do lugar"". A ideia, explicou ao PÚBLICO Luís Raposo, presidente do ICOM Portugal, é criar um museu com vários pólos, tendo como unidade nuclear o edifício do antigo Colégio de Santo Antão-o-Novo, que faz hoje parte do Hospital de São José.

O ICOM não se pronuncia sobre qual deveria ser a tutela deste pólo museológico, mas Luís Raposo lembra que "o know how sobre museus está na Cultura", pelo que o projecto deveria envolver os dois ministérios (Saúde e Cultura). No entanto, antes disso, Luís Raposo classifica como "crucial" o inventário de todo o património, móvel e imóvel, destes hospitais.

A organização dos museus apela ainda a que seja estabelecido com a câmara e as faculdades de Arquitectura "um plano urbanístico e de valorização patrimonial" em torno desta "colina da saúde" que constitui "o maior e mais importante conjunto de património da medicina e saúde do nosso país". Por fim, o ICOM, em parceria com a Associação Portuguesa de Museologia, defende o estabelecimento de "termos de referência claros" para a utilização dos espaços desactivados dos hospitais.»

In Público (8/1/2011)

Nota: este é de facto um assunto importantíssimo que infelizmente não tem recebido a devida atenção por parte do Estado. Este património - nacional - não pode ser reduzido pelo Estado a simples " questão de imóveis e terrenos" para especulação imobiliária. É de Património Cultural com importância nacional de que estamos a falar. O processo de extinção de hospitais está a ser levado a cabo de modo irresponsável porque não há plano de salvaguarda do património cultural. Foto: Entrada do Hospital Miguel Bombarda, c.1910. Fotógrafo não identificado, Arquivo Municipal de Lisboa.