sábado, 30 de março de 2013

«Boa Páscoa» da Cristina Girão

Recebemos esta mensagem com votos de Boa Páscoa, que retribuimos, da nossa associada Cristina Girão:

Boa Páscoa!!
Ok! Pronto, há alturas em que me dá para ser piegas, mas a verdade é que às vezes também faz falta um pouco de “mel” na vida.
Por isso, num tempo em que, diariamente, 5 portuguesas e portugueses (mais mulheres do que homens) se suicidam… Em que os nossos familiares e amigos emigram, como nos anos 60, e às vezes o dinheiro parece que não chega… Nos dias em que a chuva parece não querer parar… Nos dias em que não parece Primavera, é bom pararmos e olharmos as tílias da R. Camilo Castelo Branco (mesmo aqui ao lado) e repararmos que as novas folhinhas começam a aparecer… É bom vermos que as olaias estão vestidas de rosa, como meninas prontas para uma festa… Que os freixos estão cheios de amentilhos (que mania a deles de terem as estruturas reprodutoras antes das folhas, mas as plantas são assim, cada uma com sua estratégia e elas lá sabem porquê…). Que, às vezes, há crianças e mulheres vítimas de violência infantil que esquecem a sua dor e ficam felizes quando celebramos com elas a chegada da Primavera e o dia das florestas… de todas as florestas… de todas as árvores…
Porque há dias assim e porque a Páscoa tem a ver com isso mesmo, com renovação, aqui vão os meus votos de Boa Páscoa, mesmo continuando a haver suicídios todos os dias e crianças tristes, pensemos que é possível mudar(mos) e a natureza dá-nos bem provas disso com as novas folhas e flores e cheiros e (atchim! alergias!)

BOA PÁSCOA E O RESTO SÃO AMÊNDOAS!!!

Foto: Olaia em flor no Parque do Monteiro Mor, Lisboa.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Jardim Botânico de Honk Kong I





The Hong Kong Zoological and Botanical Gardens (HKZBG) is located on the northern slope of Victoria Peak with a highest point of 100 metres and a lowest point of 62 metres above sea level. HKZBG, occupies an area of 5.6 hectares was founded in 1871 as a Botanic Garden and renamed in 1975 as Botanical and Zoological Gardens to reflect the increased commitments to zoological exhibits. Construction works of the Garden started in 1860 and the first stage was opened to the public in 1864.
Mr. Charles Ford was the first Superintendent of Gardens, appointed in 1871. Having served as a temporary Government House from 1841 to 1842, the Garden was still called "Bing Tau Fa Yuen" by the Chinese. Bounded by Garden Road, Robinson Road, Glenealy and Upper Albert Road, the Garden was divided into two parts by Albany Road, but linked by a subway. The eastern part of the Garden is known as the Old Garden where a Children's Playground, Aviaries, Green House and a Fountain Terrace Garden are found. The New Garden in the west is mainly the home of mammals and reptiles
PLANTS
There are more than 1,000 species in the Garden planted in such a way as to achieve natural beauty. Most of them are indigenous to tropical and sub-tropical regions.
Although small, the botanical collection includes members of the major plant groups such as Conifer, Fig, Palm, Gum Trees, Magnolia, Camellia, Azalea, Philodendron of exotic origin as well as the native flora. The Dawn Red-wood, the local Ailanthus, Crapnell's Camellia, Grantham's Camellia and Yellow Camellia provide rarity. The Norfolk Island Pine, Travellers-tree, Royal Palm, Asoka Tree, Forest Grey Gum and the Elephant Apple provide distinctive features in form, leaf-shape, bark and fruit. The Garden is frequently filled with the fragrance of Roses, Mock Lime, Orange-jessamine, Kwai-fah, Chinese Privet and the White Jade Orchid Tree. Conspicuous flowers are produced throughout the seasons by Hong Kong Orchid Tree, Camel's Foot Tree, Coral Tree, Stiff Bottle-brush, Spider Tree, Wormia, Candlenut Tree and Kassod Tree in sequence; while autumn foliage is displayed by the Sweet Gum and Bald Cypress. Visitors can see all these trees identified with labels as they walk along the footpaths.
A Herb Garden is located in the southern corner of the Garden and the shrub collection is mainly centralised at the Fountain Terrace Garden where a regular display of colourful blooms is maintained.
A Greenhouse standing at the eastern boundary houses over 150 native and exotic species including orchids, ferns, bromeliads, climbers and house plants etc.
http://www.lcsd.gov.hk/parks/hkzbg/en/index.php

segunda-feira, 25 de março de 2013

Convocatória: 6 de Abril de 2013, 14H


Convocam-se os Associados da Liga dos Amigos do Jardim Botânico para uma Assembleia Geral Extraordinária, conforme os Artigos 8º, 9º Ponto 2 e parágrafo único, 10º alínea b) e 12º, que terá lugar dia 6 de Abril às 14H, no Anfiteatro de Botânica Prof. Aurélio Quintanilha, na R. da Escola Politécnica, nº 58, em Lisboa. Não se verificando a condição do Artigo 9º Ponto 1, a Assembleia realizar-se-á 1 hora depois, com o número de Associados presentes.

ORDEM DE TRABALHOS
Ponto único - Alteração dos Estatutos (continuação)

Lisboa, 22 de Março de 2013

A Presidente da Direcção
Maria Manuela Soares Correia, Drª.
Associada nº.149
Notas:
1 -  No sentido de privilegiármos a utilização dos transportes públicos, indicamos os seguintes meios: METRO, linha amarela (Rato) e Carris, carreiras 758 e 773.
2 - Para actualizarmos a nossa base de dados, agradecemos que nos seja indicado o endereço electrónico dos associados que o possuírem.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Bairro Azul: Amanhã, Visita Guiada

Amanhã, às 15H, visita guiada, gratuita, no âmbito do Dia Nacional dos Centros Históricos. Um desafio do Fórum Cidadania Lx para reflectirmos e questionarmos os conceitos e defenições de "património" e de "centro histórico". Vamos olhar o Património do séc. XX.

Bairro das Colónias: Amanhã, Visita Guiada

Amanhã, às 10H, visita guiada, gratuita, no âmbito do Dia Nacional dos Centros Históricos. Um desafio do Fórum Cidadania Lx para reflectirmos e questionarmos os conceitos e defenições de "património" e de "centro histórico".  Vamos olhar o Património do séc. XX.

quinta-feira, 21 de março de 2013

As Árvores e os Livros: António Vieira Borges


«O que seria uma Pátria sem Árvores? Um deserto sem fim, um corpo sem alma, um planeta sem luz solar, uma mãe desolada sem filhos! Mas... sabeis vós bem, meus meninos, o que seja a Pátria? A Pátria sois vós mesmos e os vossos jogos infantis, os vossos passeios à beira-mar e ao campo, é o vosso pai, a vossa mãe e os vossos irmãos; é este torrão do litoral, onde o mundo acaba e o mar começa.»

António Vieira Borges, Árvore e Pátria, 1914, pp. 12-13

Foto: Parque Eduardo VII. O que seria Lisboa sem Árvores? Para imaginar tal cenário basta passar por um dos muitos arruamentos sem árvores que Lisboa infelizmente ainda mostra... e são na ordem das centenas as ruas, largos, pracetas, praças e até avenidas sem árvores.

HOJE: DIA DA ÁRVORE!

«Mais encontrarás nos bosques que nos livros; as árvores e as pedras ensinar-te-ão o que nenhum mestre jamais te ensinará»

S. Bernardo

Foto: Lodão na Colina do Casatelo em Lisboa

quarta-feira, 13 de março de 2013

sábado, 9 de março de 2013

Esta Palmeira não temos no nosso Jardim: ELAEIS GUINEENSIS

O nosso Jardim Botânico não tem nas suas colecções vivas um exemplar desta famosa palmeira da África tropical, bem conhecida pelo óleo alimentar que se obtém dos seus frutos. Esta, assim como tantas outras plantas de grande importância para contar a história entre o Homem e as Plantas dos trópicos, só poderiamos ter se já houvesse uma nova estufa, pensada e projectada para exposição de plantas que não conseguem sobreviver ao ar livre em Lisboa. O exemplar na imagem foi fotografado no Jardim Botânico de Penang (Malásia). Esta palmeira, originária do Oeste do continente Africano, foi primeiro levada para o Jardim Botânico de Singapura em 1870. As sementes deste primeiro exemplar estiveram na origem das primeiras plantações da Península da Malásia. Hoje em dia, enormes plantações desta palmeira dominam a paisagem de várias regiões da Malásia, Indonésia e Tailândia com grandes prejuízos para a rica biodiversidade desta parte do mundo.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Palmeira morta no logradouro da Rua de São Mamede nº 19 (Propriedade Municipal)

A chamada "Praga das Palmeiras" continua a destruir belíssimos exemplares por toda a Lisboa, como é o caso desta centenária Palmeira das Canárias num jardim de um imóvel municipal sito na Rua de São Mamede nº 19. A LAJB já informou a CML desta nova vítima no centro histórico da nossa capital, na Freguesia da Sé. A paisagem verde de Lisboa está a ficar mais pobre...